O tempo: eu vs. você

(...) Queria saber onde é que está aquele tipo de namorado que você não veste para se exibir, mas despe para provar só pra si mesmo o quanto é feliz. Que você não desfila ao lado, mas leva dentro do peito.”

Eu não sei que querer é esse tão inexplicável quando, na verdade, eu nunca o tive, ou o toquei nem o olhei nos olhos, ou o experimentei. Só sinto esse reboliço de emoções. E agora que o vejo através de fotos ao lado de outra, me pergunto: quando foi que você deixou de perceber em mim o quanto eu o quero, se eu sempre o quis? Talvez, você que não gostasse tanto assim de mim. Ou, aliás, você nunca gostou de mim. Porque eu dizia “eu te amo” com a voz embargada quase chorando, e pedindo para estar ao seu lado e do outro lado da linha você ria. Enquanto eu tentava desfazer o embaraço em que você me metia e também o acompanhava rindo da minha tolice.

Mas, ah, do que adianta eu me questionar hoje sobre você... Você simplesmente foi. Sem querer me chatear me chateando, se desculpando, porém eu nunca o desculpei, desculpa. É que me sinto traída e não sei lhe aceitar em minha vida no posto de “amigo”.

Sou mulherzinha, e tenho sonhos de mulherzinha e você estava nos meus planos ao meu lado como meu... Estou sendo tola outra vez e já faz tanto tempo. Queria saber se essa dor um dia para de inflamar e se existe remédio para “desamar”. Quero encontrar as respostas através das minhas teorias de “achismos”, porque eu sempre fui tão sua mesmo sem você pedir e eu poderia esperá-lo. Mas do que adianta? Você marcou o nosso fim (isso se existiu um “nós” nessa história).

Eu vou ser feliz, mas não garanto a ninguém que serei capaz de amar o quanto eu amo você. E a vontade de deletar tudo o que disse e admiti nesse momento é grande, mas quer saber de uma coisa? Você já faz parte de mim; aquela parte que não cala e que de alguma forma me mantém em pé, por ódio e por amor num mesmo instante; aquele defeito incontestável, porém aceitável que todos veem e eu simplesmente consinto, pois quem gostar de mim terá que aceitá-lo sem tentar modificá-lo desde a forma como o vejo até onde eu o sinto.

Fui adiando e enganando a mim mesma, enquanto as horas, dias, semanas, meses e anos até perceber que eu amo a ideia de ter você. E em uma vã tentativa entreguei-me à minha imaginação e a quem você nunca foi.

E hoje, notei que as dores já são tão inerentes a mim que a qualquer queda ela mesma me amortece. Habituei-me com os medos que nada mais me desespera; com olhar triste a aflição parou de encarar-me. E aos poucos, sei lá... A tal paixão adormecida encaixou-se em algum vão entre meu coração e as artérias e esvaiu-se de mim. Foi assim, de repente. Leia bem, digo, a paixão. Como se a televisão ficasse em permanente preto-e-branco até que alguém audacioso o suficiente possa recuperar as cores. Sem querer arrancar-lhe de mim ocupando meu coração pedaço a pedaço. Porque eu não gosto de pensar em “substituição”.

Com o tempo... Ouso pronunciar seu nome para que o escute, mas da garganta a palavra sai seca e meus lábios formam uma linha como de lua minguante. E, talvez, seja isso. A vida ganhe algum sentido na perda. Quando sorrateiramente eu compreendi que não conseguia sequer derramar uma lágrima por você e a visão tornasse a ficar nítida. Porque, com o tempo, sobrevivi sozinha ver você partir para nunca mais voltar, sem ser meu, por eu não poder me entregar a alguém que jamais me quis.

... olhe dentro de você e pergunte: estupidez, masoquismo ou medo de viver de verdade?"
citações de Tati Bernardi


Eu queria mandar isso pra "ele". Mas sabem de uma coisa? Só de escrever isso de alguma forma me reconforta, me faz sentir liberta novamente. Sem mais. O espaço é meu, publico o que quiser e lê quem tem paciência!
Beijo pra quem é de beijo.

7 comentários:

  1. Eu queria mesmo achar um jeito de comentar. Mas as palavras faltam.

    Achei incrível a forma como descreveu cada detalhe e expos tudo.


    Incrível esse trecho:

    'Você já faz parte de mim; aquela parte que não cala e que de alguma forma me mantém em pé, por ódio e por amor num mesmo instante; aquele defeito incontestável, porém aceitável que todos veem e eu simplesmente consinto,'

    ResponderExcluir
  2. meu deus, quanto talento, me senti dentro do texto, está perfeito .

    ResponderExcluir
  3. Olá Babizinha...
    Que delícia de leitura. Sabe, algumas das coisas que escrevo, também são o que eu gostaria de dizer a certo alguém, também sinto essa mistura de ódio e amor. Ao menos inspira, já que não se pode viver.
    Adorei tudinho...
    Beijo

    ResponderExcluir
  4. Cuide do seu coração flor. Senti o fragmento daqui.

    ResponderExcluir
  5. Noossa, que protesto em palavras!

    Bom domino e detalhe: Não sou um "JackStripador"

    UHUEHEUHEUHEUEHUE'

    Acho que sou o garoto mais tímido da face da Terra. Acho que por isso me escondo nas palavras. \o/

    Até lá vc verá isso. E outra, sorte ae com o garoto viu?

    Bjo.

    ResponderExcluir
  6. Texto incrível mesmo. Muitas vezes também me sinto liberta só de escrever alguma coisa. :)

    :*

    ResponderExcluir
  7. "A tal paixão adormecida encaixou-se em algum vão entre meu coração e as artérias e esvaiu-se de mim. Foi assim, de repente. Leia bem, digo, a paixão. Como se a televisão ficasse em permanente preto-e-branco até que alguém audacioso o suficiente possa recuperar as cores."

    Acho realmente que, no fim das contas, as perdas nos ensinam muito mais. Como diria a música "Eu tive um amor, mas foi a dor que me ensinou a ser quem sou". Aprender a perder faz parte e viver bem, ainda assim, é consequência, uma lição.

    Bonito texto e que bom que sentes isso. =*

    ResponderExcluir

✖ Não faça propaganda de seu blog;
✖ Se discordou de algo, não publique comentários anônimos;
✖ Não é avisando que (per)segue meu blog que será recíproca;
✔ Retribuirei qualquer comentário se possuir blog;
✔ Estou aberta a críticas construtivas e a novas amizades...
♥ Desde já, agredeço sua opinião!